Dona da Friboi é condenada em R$ 2 milhões por descumprir norma trabalhista

A Justiça do Trabalho condenou o frigorífico JBS, dono da marca Friboi, a pagar R$ 2 milhões por danos morais coletivos por não oferecer aos funcionários, que trabalham em ambientes frios, locais adequados para descanso. As irregularidades aconteceram nas fábricas de Pontes e Lacerca, a 450 km de Cuiabá.

Contatado pelo UOL, o frigorífico informou que irá recorrer da decisão.

A lei determina descanso de 20 minutos a cada 1 hora e 40 minutos trabalhados para quem trabalha em ambientes com temperatura igual ou inferior a 15ºC, ou que movimenta mercadorias em locais com diferentes temperaturas.

A empresa oferecia dois espaços para descanso. Um deles ficava a uma distância de 250 metros da saída do local de trabalho. Para chegar lá, o trabalhador devia andar a pé, em uma área sujeita a sol, chuva, calor ou frio.

Já o segundo espaço para descanso, efetivamente usado para a recuperação térmica, estava montado em uma grande área cimentada, aberto nas laterais e coberto com tendas de lonas, sem qualquer sistema de refrigeração ou ventilação que assegurasse o mínimo de conforto térmico.

De acordo com a juíza Rafaela Pantarotto, da Vara do Trabalho de Pontes e Lacerda e com o Ministério Público do Trabalho, além do tempo gasto para ida e retorno dos empregados, os espaços deixavam os funcionários sujeitos a uma série de complicações de saúde devido à mudança brusca de temperatura.

A empresa tem 60 dias para a construção de espaço para recuperação térmica. A multa prevista é de R$ 50 mil por dia de descumprimento da determinação.

Do UOL, em São Paulo 28/08/2014 – 19h21 > Atualizada 28/08/2014 – 21h14

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Salário: sites oferecem serviços de comparação

Ferramentas usam informações de bancos de dados de currículos e vagas para definir média salarial

Muitos profissionais têm dúvidas sobre salários, seja para comparar ganhos com colegas, pedir um aumento ou fazer uma proposta de pretensão salarial na disputa por uma vaga.

Dois sites de recrutamento e seleção usam os currículos e vagas cadastradas em seus bancos de dados para oferecer serviços de comparação salarial por profissão e região.

A Catho, líder do segmento, tem um Guia de Profissões e Salários. Por meio da busca pelo nome do cargo, a ferramenta mostra as principais atribuições daquele profissional e a faixa salarial mínima, máxima e média. Também há o detalhamento regional.

Para realizar o Guia de Profissões e Salários, a Catho também utiliza as informações coletadas em sua Pesquisa Salarial e de Benefícios, atualizada trimestralmente.

Na plataforma de pesquisa Salário BR também é possível fazer uma busca a partir da profissão . O resultado são as faixas salariais de acordo com o tamanho da empresa e o nível do profissional (trainee, júnior, pleno, sênior ou master). O Salário BR usa a base de dados do site Banco Nacional de Empregos, que tem cerca de 6 milhões de currículos cadastrados.

A busca pelo cargo de engenheiro de produção, por exemplo, no Guia de Profissões e Salários da Catho mostra média salarial de R$ 5.735,97, com mínimo de R$ 3.150,00 e máximo de R$ 9.500,00.

Já na ferramenta Salário BR, indica que um engenheiro de produção de nível júnior de uma empresa pequena tem salário médio de R$ 3.785,04, enquanto em uma empresa grande a remuneração do profissional de mesmo nível sobe para R$ 6.396,72.

Veja também:
Site permite que funcionários avaliem empregadores

Fonte: RADAR DO EMPREGO

“Blog do Caderno de Empregos & Carreiras” – Publicado em 11.08.2014 | 17:17 | MERCADO DE TRABALHO

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Negros ainda são minoria absoluta em cargos de chefia no Brasil

JOANA CUNHA
DE SÃO PAULO

É bastante rara a presença de negros nos altos escalões das empresas no Brasil.

No nível executivo, que envolve os cargos de direção, a proporção de negros é de apenas 5,3%, de acordo com a última pesquisa do Instituto Ethos em parceria com o Ibope Inteligência sobre o perfil racial das 500 maiores empresas do país, cujos dados foram coletados em 2010, último levantamento disponível.

Em números absolutos, a parcela corresponde a 62 negros em um grupo de 1.162 diretores.

A proporção é progressivamente menor nos níveis hierárquicos mais elevados, ainda conforme o estudo. Enquanto no quadro funcional, que abrange os trabalhadores em geral, como assistentes, secretários, 31,1% dos postos de trabalho são ocupados por negros, o volume cai para 25,6% na supervisão.

A parcela é de apenas 13,2% na gerência, número que diminui ainda mais no nível executivo.

O Instituto Ethos aponta que a situação é pior para a mulher negra, que tem 2,1% na gerência e apenas 0,5% no quadro executivo, ou seja, só seis mulheres pardas entre as 119 mulheres dos mais de mil diretores na amostra da pesquisa.

Na população brasileira, pretos e pardos, somados, representam cerca de 50% do país, segundo o IBGE. Na população economicamente ativa, os negros ultrapassam os 45%.

Características de cor ou raça, na maior parte das empresas, são informadas na ficha de admissão, por auto-declaração, segundo o instituto.

De acordo com Jorge Abrahão, presidente do Instituto Ethos, o cenário evoluiu entre 2007 e 2010, mas a velocidade das mudanças ainda é muito baixa.

“Saímos de 3,5% de presença de negros nos cargos executivos para 5,3% neste período. Na velocidade registrada nos últimos dez anos, levaria 150 anos para que a população brasileira se refletisse nos altos escalões”, diz ele.

Fonte: Folha de S.Paulo – Publicado em 09/08/2014 às 02h00

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

M.Officer pode ser banida de São Paulo por exploração de trabalho escravo

Ministério Público do Trabalho pede que inscrição estadual da empresa seja cassada, o que a impediria de produzir no estado

São Paulo – O Ministério Público do Trabalho (MPT) ajuizou ação civil contra a confecção M.Officer por prática sistemática de trabalho análogo ao escravo na cadeia produtiva. O processo pede que a Justiça do Trabalho aplique ao caso a lei estadual de combate ao trabalho escravo, que caça a inscrição estadual da empresa por dez anos, a impedindo de produzir e comercializar em São Paulo e proibindo que os sócios reabram outra empresa neste prazo. É a primeira vez que a Lei 14.946, aprovada e sancionada em 2013, é aplicada a uma grande empresa.

Os procuradores que assinam a ação, Christiane Vieira Nogueira, Tatiana Leal Bivar Simonetti e Tiago Cavalcanti Muniz, pedem ainda que a empresa seja condenada a pagar R$ 10 milhões, que seriam revertidos a obras sociais ou ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Destes, R$ 7 milhões ressarciriam danos morais coletivos por submeter trabalhadores a práticas degradantes e jornadas exaustivas e R$ 3 milhões pela prática do chamado dumping social, quando a empresa opta por não pagar encargos trabalhistas para aumentar o lucro e concorrer com preços mais baratos.

A ação se baseia em seis inspeções a oficinas, iniciadas em novembro do ano passado. Em duas, houve libertação de pessoas em condições análogas à escravidão, sendo dois trabalhadores na primeira e seis na segunda, todos bolivianos. “Eles não denunciam porque têm medo, por estar em situação irregular. A empresa se beneficia da condição de vulnerabilidade desses imigrantes para aumentar seu lucro”, diz Tatiane. “Encontramos uma criança de apenas 10 meses que ficava sozinha em um quarto para a mãe trabalhar. Uma situação muito degradante.”

“Eles estavam contratados em situação irregular, sem garantia dos direitos trabalhistas, como férias, 13º salário e salário mínimo. Dormiam no mesmo local em que trabalhavam, que era um espaço completamente inseguro, com bujões de gás e produtos inflamáveis. Trabalham, em média, 14 horas por dia, em situação ergonômica completamente inadequada, tanto que, na sua maioria, os trabalhadores não tinham nem 30 anos e já sentiam dores nas costas”, conta a procuradora.

O valor médio pago por peça era R$ 4. “Essa forma de remuneração faz com que o trabalhador perca a noção do valor do seu dia de trabalho. Por necessidade de garantir seu sustento e o de sua família, ele trabalha até o limite de suas forças, em jornadas subumanas, como se fossem máquinas”, aponta o texto da ação.

Cadeia produtiva

As investigações mostraram que a M.Officer, identificada como razão social por M5, possui no quadro de funcionários apenas 20 costureiras. A empresa contrata intermediários que, por sua vez, subcontratam as oficinas clandestinas. “Os intermediários têm, se muito, duas costureiras. A empresa sabe que existem essas subcontratações. Ela especifica todas as características da peça e depois as lacra. Ela participa de todo o processo produtivo dando ordens. As peças vão e voltam até chegar a peça-piloto final”, afirma Tatiane.

A gerente de compras da empresa, Rosicler Fernandes de Freitas Gomes, afirmou para uma equipe de fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego – em uma entrevista realizada durante fiscalização na sede M.Officer, em 8 de maio – que as subcontratações têm o objetivo baratear os custos de produção. Segundo a ação, ela afirmou “saber que existem fornecedores que que chegam a quarteirizar a produção para cerca de quarenta subcontratados”. E “mencionou ainda existirem poucos fornecedores em que toda a produção é internalizada” e que “esses casos raros acabam encarecendo a produção. Por esse motivo, priorizam os fornecedores que subcontratam, por apresentarem custos mais baixos de produção.”

Segundo a procuradora Tatiana, houve diversas tentativas de negociar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a grife, sem sucesso. “O que chama a atenção é que a marca, em momento nenhum, mesmo tendo várias oportunidades, fez esforços para resolver a questão. Ela apenas nega e diz que tem um contrato de facção com as intermediárias. Sua defesa é só negar.”

Procurada pela RBA, a M.Officer afirmou, em nota, que “ainda não foi notificada da ação judicial” e que, por isso, está “impossibilitada de se manifestar a respeito”. A empresa assegura que “cumpre integralmente todas as obrigações trabalhistas” seguindo a legislação em vigor e afirma que “não possui qualquer responsabilidade sobre os fatos ora noticiados”.

Para Leonardo Sakamoto, coordenador da organização não-governamental Repórter Brasil, que milita contra o trabalho escravo, a exploração de mão de obra é uma prática recorrente na indústria têxtil, pela forma como o setor está organizado. “O trabalho escravo está relacionado com o fato que as empresas querem garantir lucro e competitividade. Ele não é uma falha do capital que vai desaparecer com a evolução do capital. É um instrumento utilizado pelo mercado para garantir competitividade e lucratividade. E, enquanto ele garantir essas duas coisas, vai continuar a ser usado”, diz.

“Quanto mais conseguirmos imputar grandes perdas financeiras para quem busca o trabalho escravo com o objetivo de obtenção de lucro, mais o problema vai cair. Quanto mais caro for compensar o crime, mais as empresas vão colocar na balança e não fazer”, acredita Sakamoto.

Fonte: Rede Brasil Atual – publicado em 24/07/2014

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Maioria confia que não ficará sem emprego, diz Datafolha

FERNANDO CANZIAN DE SÃO PAULO

A menos de três meses da eleição presidencial, a maioria dos brasileiros está confiante de que não corre o risco de ser demitida ou de ficar sem emprego, revela nova pesquisa Datafolha.

O levantamento mostra também que não houve piora na expectativa dos entrevistados em relação ao aumento da inflação. Mas diminuiu o percentual dos que acham que a situação econômica do país tende a melhorar daqui para a frente.

A pesquisa, realizada nos dias 15 e 16 de julho, com margem de erro de dois pontos, pode ser considerada positiva para o governo em alguns aspectos, já que a percepção dos brasileiros em relação ao emprego segue favorável, apesar de alguns sinais negativos no horizonte.

O levantamento aponta que 70% dos entrevistados acreditam que não correm o risco de serem demitidos. No início de abril, essa taxa era de 61%.

O percentual dos que acham que correm algum risco de ser mandados embora também recuou, de 27% para 20%, entre abril e agora.

Houve um crescimento também, de 51% para 58% entre os dois períodos, no total de entrevistados que afirmam não ter medo de ficar desempregados.

Segundo dados do Ministério do Trabalho divulgados ontem, o Brasil registrou o menor saldo de criação de vagas com carteira assinada para um mês de junho desde 1998. Foram gerados 25.363 novos postos formais no mês passado.

De um modo geral, permaneceu estável a expectativa de aumento do desemprego. Compartilhada por 43% dos entrevistados no início de julho, ela oscilou para 42% no levantamento atual.

A grande maioria dos brasileiros (58%) continua achando que a inflação pode aumentar. Mas esse percentual é o mesmo do apurado no início de julho, e menor do que os 64% registrado no mês de junho.

Na semana passada, a inflação rompeu o teto da meta do Banco Central, de 6,5% ao ano pela 11ª vez desde a posse de Dilma Rousseff.

Na contramão, voltou a subir o pessimismo dos eleitores com a situação econômica do país: no início de junho, 36% tinham a expectativa de que a economia do país iria piorar, índice que caiu para 29% no início de julho e que agora subiu para 32%.

Os eleitores também foram consultados sobre a situação econômica pessoal, e 44% declararam esperar que ela vá melhorar nos próximos meses (no início de julho, 48%). Outros 40% acreditam que sua situação ficará como está e para 12% ela deve piorar.

Houve aumento também no pessimismo em relação ao poder de compra dos salários, após queda registrada entre junho e julho.

Atualmente, 35% dos brasileiros acreditam que o poder dos salários vá diminuir, índice que era de 31% no início de julho e de 38% na primeira semana de junho.

CONFIANÇA

O pessimismo com o poder de compra dos salários e com a economia de um modo geral acabou puxando para baixo a confiança do brasileiro, que voltou ao nível pré-Copa do Mundo, mostra o IDC (Índice Datafolha de Confiança).

O IDC, que leva em conta vários aspectos para medir o sentimento do brasileiro em relação ao país, registrou 109 pontos na pesquisa, ante 116 pontos que marcava no início do mês.

Fonte: UOL.com.br

Publicado em 18/07/2014 – 00h53 Atualizado em: 18/07/2014 – 00h57

Publicado em Uncategorized | Marcado com | Deixe um comentário

Indústria paulista demite 16,5 mil trabalhadores em junho de 2014

Desempenho foi o pior desde 2006. Nos últimos 12 meses, são 96.500 vagas eliminadas pelo setor no estado

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A indústria paulista demitiu 16,5 mil empregados em junho, o que equivale a uma queda de 0,64% em relação ao mês anterior, com ajuste sazonal. O resultado é da Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo, elaborada pela Federação e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp). Trata-se do pior resultado desde 2006, quando o levantamento começou a ser feito, num indicativo de que a situação do emprego no setor tende a se agravar até o final do ano.

De acordo com Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp e do Ciesp, responsável pela pesquisa, “ninguém esperava um desempenho tão ruim”. “Nem em junho de 2009, diante dos reflexos da crise econômica de 2008, a queda no número de empregos foi tão expressiva”, afirma.

Para se ter uma ideia, a queda no nível de emprego em junho de 2009 foi de 0,47% com ajuste sazonal, diante dos atuais 0,64% (também com ajuste).

No acumulado dos últimos 12 meses (entre junho de 2013 e junho de 2014), são 96.500 profissionais demitidos.

Diante desse cenário, explica Francini, eventualmente 2014 vai terminar com mais postos fechados que em 2012, quando foram demitidos 52 mil trabalhadores na indústria paulista. Em 2013, foram 36,5 mil profissionais dispensados. “É possível que fiquemos num número entre 2009, quando houve 112,5 mil cortes, e 2012, ou seja, variando entre 112,5 mil e 52 mil vagas eliminadas”.

Setores

Na análise por setores, a pesquisa apontou que o maior número de demissões ficou com a indústria de veículos automotores, reboques e carrocerias, com 3.661 vagas fechadas. Em segundo lugar, veio o setor de produtos alimentícios, com 2.566 postos a menos, seguido por confecção de artigos do vestuário e acessórios (-2.562 empregos).

“Entre os 22 setores pesquisados, 70% apresentaram resultado negativo em junho”, diz Francini.

Regiões do estado

Quando consideradas as regiões do estado, Matão, Presidente Prudente e Limeira foram destaques positivos no que se refere ao emprego. Entre os piores desempenhos, Cotia, Jaú e São Bernardo do Campo.

Em Matão, foram gerados mais 4,63% empregos em junho, movimento estimulado principalmente pelos setores de produtos alimentícios e máquinas e equipamentos. Já em Presidente Prudente, com 0,92% mais vagas no mês, os artefatos de couro e calçados, junto com coque, petróleo e biocombustíveis foram os motores. A alta de 0,9% em junho em Limeira é atribuída aos veículos automotores e autopeças e à celulose, papel e produtos de papel.

Entre as áreas que mais demitiram, foram menos 2,76% postos em Cotia, menos 2,13% em Jaú e menos 1,84% em São Bernardo do Campo. Em Cotia, o baixo desempenho foi puxado pelos móveis e produtos têxteis, com vagas fechadas sobretudo em artefatos de couro e calçados e alimentos em Jaú e veículos automotores e autopeças e produtos de borracha e de material plástico em São Bernardo do Campo.

“Das nossas 36 diretorias regionais consideradas para o estudo, 80% apresentaram resultado negativo no que se refere ao emprego em junho”, conclui Francini.

Para ler a pesquisa completa, acesse aqui.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Brasil registra menor criação de vagas formais para junho desde 1998

Eduardo Cucolo, de Brasília

O Brasil registrou o menor saldo de criação de vagas de trabalho com carteira assinada para um mês de junho desde 1998.

Segundo o Ministério do Trabalho, em junho de 2014, foram geradas 25.363 novas vagas.

No primeiro semestre, foram 588.671 novos postos de trabalho formal. É o menor saldo para esse período do ano desde 2008 (397.936 vagas).

Os dados fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados).

O número de junho é a diferença entre 1,639 milhão de contratações e 1,614 milhão de desligamentos.

Nos dois casos, houve queda em relação ao mesmo período de 2013, mas as contrações caíram mais que as demissões.

TRANSFORMAÇÃO

A indústria de transformação foi novamente o setor que puxou a piora nos dados sobre o emprego formal, com fechamento de 28,6 mil postos no mês de junho, seguida pela construção civil (-12 mil) e o comércio (-7 mil).

Por outro lado, Agricultura e Serviços tiveram saldo positivo, respectivamente, de 41 mil e 31 mil.

No semestre, apenas o comércio cortou vagas (-58 mil).

Regionalmente, o Nordeste é a única região com saldo negativo na geração de emprego, com o fechamento de 24,4 mil vagas, principalmente em Pernambuco e Alagoas.

Os maiores crescimentos no emprego em relação ao final de 2013 foram o Centro-Oeste e Sul.

Fonte: Folha de S.Paulo 17/07/2014 – 15h36

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário