Desemprego sobe a 6,1%, primeira alta em 8 meses

Da Redação do UOL, em São Paulo

O desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do país subiu pela primeira vez em oito meses e ficou em 6,1% em janeiro. Apesar da alta, essa foi a menor taxa para os meses de janeiro, desde 2003.

O resultado já era esperado, uma vez que muitas vagas temporárias criadas no fim do ano por causa do Natal são fechadas. O desemprego registrado em janeiro deste ano, porém, é menor que os 7,2% do mesmo mês de 2010.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (24) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A população desocupada cresceu 13,7% em relação a dezembro e caiu 15,6% em relação a janeiro do ano passado. A população ocupada recuou 1,6% em relação a dezembro e cresceu 2,2% em relação a janeiro de 2010.

O número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada (10,474 milhões) ficou estável no mês e cresceu 6,6% no ano. O rendimento médio real dos trabalhadores (R$ 1.538,30) subiu 0,5% no mês e 5,3% no ano.

Índices

Diferentes levantamentos medem o desemprego no país. Os números do IBGE, por exemplo, são bem menores que os do Dieese/Seade. Este último, por exemplo, divulgou ontem que a taxa de desemprego em sete regiões metropolitanas pesquisadas foi de 10,4% em janeiro. A pesquisa considera vagas com e sem carteira assinada.

As divergências ocorrem por causa das metodologias diferentes adotadas. A principal delas é que o IBGE mede apenas o desemprego aberto, ou seja, quem procurou emprego nos 30 dias anteriores à pesquisa e não exerceu nenhum tipo de trabalho -remunerado ou não- nos últimos sete dias.

A pesquisa abrange as regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

Quem não procurou emprego ou fez algum bico na semana anterior à pesquisa não conta como desempregado para o IBGE.

O Seade/Dieese também consideram o desemprego oculto pelo trabalho precário (pessoas que realizaram algum tipo de atividade nos 30 dias anteriores à pesquisa e buscaram emprego nos últimos 12 meses) e o desemprego oculto pelo desalento (quem não trabalhou nem procurou trabalho nos últimos 30 dias, mas tentou nos últimos 12 meses).

Fonte: UOL.com

“UOL Economia” – Publicado em 24/02/2011 às 09h01

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s