Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio diz que colete de cinegrafista morto não era seguro

Da Agência Brasil
No Rio de Janeiro

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro informou em nota, na noite desta segunda-feira (7), que teve acesso ao colete à prova de balas usado pelo repórter cinematográfico da TV Bandeirantes, Gelson Domingos, morto com um tiro de fuzil durante uma operação policial na favela de Antares, na zona oeste da capital.

Cinegrafista da TV Bandeirantes morre durante operação policial no Rio

Foto 12 de 18 – 7.nov.2011 – Edilene, mulher de Gelson Domingos, abraça amigo durante enterro do cinegrafista da TV Bandeirantes. Ele foi morto no domingo (6) enquanto fazia a cobertura de uma operação do Bope (Batalhão de Operações Especiais) na favela de Antares, na zona oeste da cidade Mais Zulmair Rocha/UOL

Segundo o sindicato, o colete era do tipo 2-A, que protege contra tiros de armas como a de 9 milímetros (mm), com potencial bem abaixo dos fuzis usados em confrontos no Rio de Janeiro. O sindicato disse que ao contrário do que a emissora afirmou, o equipamento não era do tipo 3-A –que tem maior poder de defesa.

A assessoria de imprensa da emissora foi procurada, mas afirmou que só poderia se posicionar sobre a acusação nesta terça-feira (8).

O advogado criminalista Nélio Andrade, que representa a família da vítima, disse que “é de uma grande irresponsabilidade enviar um repórter para esta guerra urbana, que vivemos no Rio com um equipamento deste tipo. A pessoa está completamente vulnerável com este tipo de equipamento”. O advogado recebeu o colete usado pelo repórter de parentes do jornalista. Ele disse ainda que o colete será entregue à Divisão de Homicídios, encarregada do inquérito.

Segundo o advogado, o colete apresenta sinais de desgaste. Algumas inscrições não podem ser lidas a olho nu, mas é possível verificar que a blindagem é 100% de polietileno. A placa da frente do colete que foi perfurada, apresenta data de 2003. Conforme especificações na parte interna do colete, o equipamento vence em outubro de 2013.

O titular da Divisão de Homicídios, Felipe Ettore, disse que o autor do disparo que matou o cinegrafista pode estar entre os quatro mortos e os 11 suspeitos presos durante a operação na favela. Ele disse que a polícia está examinando as imagens feitas pelo cinegrafista e cedidas pela TV Bandeirantes, que são uma peça importante para identificar o autor do crime. “Acreditamos que as imagens são fundamentais para a identificação do autor do disparo que matou o jornalista”.

Imagem mostra momento em que cinegrafista da Band é baleadoGelson Domingo, de 46 anos, acompanhava uma operação do Bope na favela Antares, na zona oeste do Rio de Janeiro, quando foi atingido por um tiro de fuzil

A ONG Rio de Paz prestou uma homenagem ao cinegrafista na areia da praia de Copacabana, em frente à Rua Princesa Isabel. Um cartaz diz: “Gelson Domingos, o tiro que acertou o seu peito, atingiu os nossos olhos”.

O corpo de Gelson Domingo foi enterrado hoje no cemitério Memorial do Carmo, no Rio.

Fonte: UOL.com.br

“UOL Notícias | Cotidiano” – Publicado em 07/11/2011 às 21h23

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s