Trabalhador brasileiro não consegue agendar consulta com perito do INSS

Quando o trabalhador fica doente por mais de 15 dias, ele deixa de receber o salário do patrão ou da empresa. O INSS só começa a pagar o benefício depois que o doente é examinado por um de seus médicos.

Monalisa Perrone São Paulo, SP

A consulta é necessária porque quando o trabalhador fica doente por mais de 15 dias, ele para de receber o salário do patrão ou da empresa. O INSS só começa a pagar depois que o doente é examinado por um de seus médicos, mas agendar essa consulta está demorando até quatro meses. Nesse tempo, o trabalhador fica sem salário.

A empregada doméstica Doralice Souza fez uma cirurgia em outubro, mas só conseguiu marcar a perícia para o fim de dezembro. Até lá não pode trabalhar e não recebe nem da patroa, porque está afastada, nem do INSS, porque não foi examinada. “Estou preocupada porque tenho filhos, são dependentes de mim”.

Quando o benefício não sai ou demora demais a revolta é inevitável. É um desgaste enorme para quem já está fragilizado com um problema de saúde.

Uma lesão no tornozelo tirou Luciene Araújo do trabalho. Ela tentou agendar perícia onde mora, em Porto Alegre, mas só tinha data para janeiro do ano que vem. O próprio INSS deu uma sugestão. “Pediu para eu procurar no interior uma data mais próxima”.

Luciene teve que viajar 600 quilômetros até Uruguaiana e foi atendida em uma semana. “Eu vivo de aluguel, tenho conta para pagar e ia ficar três meses sem receber para fazer avaliação no médico do INSS”, conta.

No meio do ano a atendente de telemarketing Marivalda Oliveira percebeu que não estava bem. “Quando ia trabalhar chorava muito durante expediente de trabalho. Ficava muito nervosa com várias pessoas conversando a minha volta”.

O médico do convênio diagnosticou depressão e Marivalda foi afastada do trabalho em julho, mas a perícia ficou para o fim de outubro. Ela tinha certeza que ia receber os atrasados, mas o perito negou o benefício. Agora, Marivalda está atolada em dívidas. “A empresa não tem obrigação de pagar. INSS acha que também não tem. Quem que vai pagar? Eu não pedi o afastamento!”.

O Instituto Nacional do Seguro Social – INSS – reconheceu que o prazo para a realização das perícias médicas está acima da média em algumas cidades e que isso acontece porque aumentou o número de trabalhadores com carteira assinada que buscam o auxílio doença.

O INSS informou ainda que estuda um novo modelo de reconhecimento de direito para benefícios por incapacidade e que deve contratar 500 médicos peritos.

Fonte: G1.com

“Jornal Hoje” – Publicado em 16/11/2011 às 14h27

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s