Empregadas domésticas se arriscam para limpar janelas em SP

JUCA VARELLA
EDUARDO GERAQUE
DE SÃO PAULO

A mulher entra em casa e se depara com a faxineira -meio corpo para fora da janela da sala- paninho na mão, tentando limpar a vidraça. A surpresa é seguida por uma bronca da patroa, explicando à empregada o perigo a que ela está correndo.

Veja galeria com domésticas se arriscando

A reprimenda segue. Finalmente, a faxineira olha para a patroa e pergunta por que a mulher nunca comprou o rodinho para que ela não precisasse se dependurar.

A cena é fictícia e já foi até mesmo explorada em filmes nacionais. Porém, poderia se passar em muitas casas por aí, revelando um problema: a negligência com a segurança de empregadas domésticas.

A queda de uma faxineira grávida do décimo andar de um prédio de Florianópolis no mês passado (ela e o feto sobreviveram, surpreendentemente) colocou a questão novamente em discussão.

Em São Paulo, nos bairros de Santa Cecília e Higienópolis, a Folha flagrou empregadas praticamente penduradas nas janelas para limpar os vidros. Em um dos casos, uma faxineira se arriscava no sétimo andar, sem qualquer equipamento de segurança.

O risco é sempre minimizado, tanto pela funcionária quanto pela patroa, em conversas com os dois grupos.

“As empregadas se arriscam porque os patrões exigem o vidro sempre limpo e não oferecem equipamentos que poderiam dar uma melhor segurança”, afirma Eliana Gomes Menezes, presidente do Sindoméstica, sindicato da categoria.

“O ideal mesmo é a empregada nem fazer esse tipo de serviço arriscado. Deveria ser contratada uma empresa de segurança para isso” diz ela.

Apesar da falta de segurança, casos como o de Santa Catarina nunca foram registrados na cidade de São Paulo, segundo o Sindoméstica.

RISCO

O olhar atento para as janelas dos apartamentos paulistanos revela outro problema. Não são apenas as empregadas que correm riscos.

Em dois lugares da avenida Higienópolis, prestadores de serviço de instalação de redes passaram horas para o lado de fora do prédio. Um deles, no décimo andar.

Em nenhum dos casos, os trabalhadores usavam equipamentos de segurança que pudesse evitar a queda.

Juca Varella-09.nov.11/Folhapress
Mulher limpa janela do primeiro andar de um apartamento na Rua Baronesa de Itu, em Higienópolis, SP
Mulher limpa janela do primeiro andar de um apartamento na Rua Baronesa de Itu, 640, em Higienópolis, SP
Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s