Alta da escolaridade reduz trabalho informal, diz FGV

Pesquisa concluiu também que a queda do emprego informal, vista em todos os setores da economia, deu-se com mais força fora das regiões metropolitanas

Vinicius Neder, da Agência Estado

RIO – O aumento da escolaridade média do trabalhador brasileiro é o principal fator por trás da recente queda da informalidade no mercado de trabalho, aponta estudo divulgado há pouco pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

A pesquisa, de autoria dos economistas Fernando Holanda Barbosa Filho e Rodrigo Leandro de Moura, utilizou duas séries de dados do IBGE: a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), de 2002 a 2009, e a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), entre 2003 e 2011. Outra conclusão foi que a queda do emprego informal, vista em todos os setores da economia, deu-se com mais força fora das regiões metropolitanas.

Segundo o estudo do Ibre/FGV, a decomposição dos números mostra que 60% da queda geral na informalidade podem ser explicados pelo aumento da escolaridade do trabalhador. “Este resultado mostra mais uma vez o sucesso da política de universalização da educação no país”, escreveram os pesquisadores no artigo científico.

“Os trabalhadores mais educados (com maior escolaridade) aceitam menos o trabalho informal”, afirmou Leandro de Moura, explicando que, com o aumento da participação dos trabalhadores com maior escolaridade no mercado de trabalho, a informalidade cai.

Em 2002, 34% dos trabalhadores formalmente empregados tinham acima de 10 anos de estudo. Em 2009, essa participação subiu para 47%. Quando os dados da escolaridade são cruzados com a experiência no trabalho, “a queda da participação de trabalhadores menos escolarizados com baixa experiência de trabalho chega a explicar 80% da queda da informalidade no país”, diz o artigo.

Agropecuária

A informalidade também caiu porque a participação do setor agropecuário, no qual o trabalho informal é mais comum no total das vagas de emprego, também foi reduzida. A formalização do trabalho foi maior no interior, porque a informalidade era muito maior fora das cidades.

Mesmo com o crescimento mais acelerado na formalidade no interior, a taxa de informalidade fora das regiões metropolitanas ainda é mais alta, de 41,6% em 2009 – em 2002, era de 48,1%. Já nas regiões metropolitanas, a informalidade passou de 35,6%, em 2002, para 29,7%, em 2009. Na média do País, o recuo da informalidade foi de 43,6% para 37,4%, na mesma base de comparação.

A pesquisa mostrou também que a queda da informalidade está relacionada a um aumento da transição de trabalhadores do setor informal para o formal e à absorção dos trabalhadores desempregados pelo setor formal. Ou seja, desempregados e pessoas fora da força de trabalho (aqueles que não estão procurando emprego) foram menos incorporados pelo emprego informal.

Fonte: Estadao.com.br

“Estadao | Economia & Negócios” – Publicado em 22 de agosto de 2012 às 17h 31

 

 

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s